Pesquisar neste blogue

A carregar...

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Dora, o navio do inferno

Sabe V. EXª o que de vergonhoso se está passando à volta dos desgraçados refugiados do vapor Dora?

Se não sabe é conveniente que V. Exª se informe directamente e termine, de vez, com, um espectáculo que está envergonhando e desprestigiando o nosso país aos olhos de estranhos.

À volta desses infelizes, cujos únicos crimes são os de alguns serem ricos e todos judeus, tem-se agitado um bando de abutres. É que alguns deles ainda têm consigo uns milhares de dólares escapados à rapina.

Esse bando, em que já se inscreveram entidades de certo relevo e responsabilidades sociais, só largará aqueles infelizes velhos, mulheres e crianças quando estes, já exaustos, nada mais tenham para ser roubado.

Porque não se deixa partir aquela gente? Porque se levantam mil e uma dificuldades à legalização da sua situação? Porque prendem e não deixam em liberdade tratar da regularização dos seus papeis para poderes deixar o país? Porque isso convém ao bando que não se farta só com as grossas somas que já lhe extorquiu.

(…)

Snr. Presidente do Conselho:

(…) é indispensável que V. Exª intervenha imediatamente e varra do povoado a alcateia de lobos que farejam a presa inofensiva e indefesa.

Feito isto, terá V. Exª prestado mais um altíssimo serviço em prol do prestígio da nossa terra.

Um Português


O Navio Dora
(Foto: Dodenschip Dora)
Datada de 12 de Agosto de 1940 esta carta anónima, enviada a Oliveira Salazar, denuncia um dos muitos dramas que no Verão de 1940 tiveram lugar às portas de Lisboa, numa altura em que Milhares de refugiados viram na capital portuguesa o refúgio momentâneo para uma Europa que mergulhava definitivamente na guerra.

O Dora era um pequeno cargueiro com bandeira panamiana, propriedade de um armador grego, e que desde 1939 estava envolvido no transporte ilegal de Judeus da Europa para a Palestina e outros destinos no norte de África. Foi com o objectivo de chegar a Casablanca que, no dia 2 de Julho de 1940 saiu do porto de Cette, perto de Bordéus, onde fora fretado à pressa por um grupo de meia centena de refugiados que queriam fugir às tropas de Hitler.

Graças aos inesperados da guerra a viagem iria ser mais curta. Na rota do Dora agigantou-se o combate de morte entre as frotas inglesa e francesa. A 3 de Julho os britânicos atacaram os navios franceses amarados no porto de Mers-el-Kébir, no Norte de África, e destruíram a frota. Uma ação executada por ordem directa de Churchill que temia que os alemães se apropriassem dos vasos de guerra e ganhassem força no mar. Morreram cerca de 1300 marinheiros franceses e 300 outros ficaram feridos.

A tensão no mediterrâneo disparava e a rota do pequeno Dora passava pelo meio da contenda e foi tomada a decisão de não fazer esse caminho. Pouco depois de terem partido de França entravam no porto de Lisboa, onde as autoridades proibiram o desembarque dos 46 passageiros, enquanto estes não conseguissem vistos para prosseguir viagem para outros destinos.

Entre os refugiados encontravam-se os banqueiros Haim Bernstein com dez familiares, o banqueiro polaco Sokolow e outros refugiados vindos de países como a Holanda, a Bélgica e a França. A bordo encontravam-se uma criança de 3 meses, doze com menos de sete anos e 14 mulheres.


Um Inferno

Conforme as semanas passaram armador e passageiros acabaram a digladiar-se, com versões contraditórias, nos jornais portugueses e estrangeiros. Estes últimos depressa rebaptizaram o Dora de “Hell Ship”, o navio do Inferno.

Segundo o relato feita pelos passageiros a decisão de desviar a rota para Lisboa foi feita pelo comandante que temia pelo futuro do navio. Um banqueiro de nome Berenszteyn - talvez Bernstein como surge em alguma imprensa estrangeira- disse ao “Diário de Lisboa” que o desespero levou as 46 pessoas a pagar cerca de um milhão de francos franceses para escapar de França. Um valor elevado que iria ser reforçado mais tarde.

Primeiro o comandante terá exigido mais cinco mil francos ao banqueiro para assegurar que o navio se dirigiria a Lisboa e não outro qualquer porto. Já na capital portuguesa – e perante a demora na chegada dos vistos - voltariam a ser feitas exigências: mais 1150 dólares e a partir de 28 de Junho a extorsão agravou-se com a exigência de uma diária de 150 dólares por passageiro.

Na reportagem do jornal português as condições em que viviam os refugiados é classificada como sendo “pior que numa antiga terceira classe de emigrantes”: “Como ali não há sala de jantar os passageiros vêem-se na necessidade de comer sentados no chão (…). Todos trazem o seu talher na algibeira e, apesar de já terem partido há mais de um mês de Cette, conservam ainda os mesmos vestuários”.

Dias depois seria a vez do capitão e do armador do Dora relatarem a sua versão dos acontecimentos. O “capitão Fostinis” e o “senhor Atychidés” asseguraram que a mudança de rota aconteceu a pedido dos passageiros e que as exigência monetárias posteriores tiveram apenas a ver com despesas normais de um frete que se prolongava para além do tempo combinado.

Duas versões contraditórias que encontraram também lugar na imprensa estrangeira. A primeira mereceu especial atenção nos jornais da comunidade judaica que considerava o capitão do navio um “gangster”.


Um refúgio em Caxias

O caso do Dora também foi seguido de perto pela PVDE e pelo comandante do porto de Lisboa. A situação das 46 pessoas degradava-se de forma assinalável e por razões humanitárias as autoridades portuguesas autorizaram o internamento numa casa de saúde de uma criança – filha do banqueiro Bernstein – e uma outra passageira foi autorizada a ter uma consulta de odontologia.

Jornal "The Jewish Post", de 9 de Agosto de 1940.

Na primeira semana de Agosto a situação a bordo tornava-se insustentável. Após forte pressão de agências de apoio aos judeus refugiados, e com o processo para a obtenção de vistos a prolongar-se foi tomada a decisão de permitir a saída dos passageiros, mas estes teriam de ficar “internados” no forte de Caxias até que se desenrolasse o emaranhado da burocracia. Passageiros, bagagens e até alguns carros abandonaram finalmente o navio depois de cerca de um mês fechados num casco de metal.

Contam jornais estrangeiros que alguns marinheiros portugueses presentes no desembarque não esconderam as lágrimas quando viram o estado em que as pessoas se encontravam, especialmente as crianças.

O comité de apoio aos refugiados prometeu processar o capitão e o armador pela forma desumana como tratou os passageiros.

É após essa decisão que a carta anónima é enviada para Oliveira Salazar. Tudo indica que este a reencaminhou para a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, a antecessora da PIDE, responsável pelo controlo de estrangeiros.

A resposta às acusações é feita na própria carta em diversas linhas manuscritas. A assinatura é ilegível, mas certamente será de algum responsável da polícia. Assegura-se que as acusações são falsas e que o internamento em Caxias teve com objectivo proteger os refugiados e "evitar as especulações que com eles se estavam fazendo".

Vários passageiros conseguiram nos dias seguintes vistos para Shangai ou para a Austrália, mas com as voltas que a guerra deu não é fácil perceber onde terminou a viagem destas 46 pessoas.

Carlos Guerreiro

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

«Escaparate de Utilidades»
Serralharia de Santinho&Costa

Revista Municipal de Lisboa, 3º trimestre de 1943
(Hemeroteca Digital)

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O Postalinho...
Dieppe, aqui não se brinca aos soldados


Postal de propaganda alemão que ridiculariza o desembarque realizado pelos britânicos - com apoio americano - nas praias de Dieppe em 19 de Agosto de 1942.

Esta "invasão" - a maioria eram tropas canadianas - resultou numa pesada derrota das forças aliadas e adiou por dois anos a abertura de uma frente na Europa Ocidental.

O ataque foi planeado para ser um raide em grande escala que deveria ter acontecido em Junho de 1942, mas a falta de treino, problemas logísticos e outras circunstâncias adiaram a operação até Agosto. Por outro lado registou-se o "emagrecimento" das operações tendo sido anulados os assaltos a defesas do porto e do litoral. O atraso e a redução das forças a envolver podem ter comprometido o resultado desta iniciativa militar.

Em resultado deste desastre os aliados perderam – entre mortos, feridos e prisioneiros - cerca de 4000 homens e os alemães pouco mais de 500. Um desastre que ainda hoje não é fácil de compreender e que tem sido tema para longas discussões entre estrategas e historiadores.

Recentemente - após a desclassificação de novos documentos no Reino Unido – surgiu uma nova teoria que aponta para o sucesso do raide. Segundo esses testemunhos o objectivo principal era a captura de códigos e equipamento de encriptação alemães, num plano idealizado por Ian Fleming, o homem que mais tarde seria autor da célebre série de livros de espionagem "James Bond 007". Essa parte do plano terá corrido como se esperava, mas o custo foi elevado.

Carlos Guerreiro

quinta-feira, 28 de julho de 2016

O Postalinho...
RAF contra a Luftwaffe



Postal de propaganda britânico que exalta a vitória aérea na Batalha de Inglaterra e aproveita para realçar a dimensão das capacidades da sua força aérea (RAF ou em português Real Força Aérea RFA) e a presença desta no mundo, nomeadamente, através da Commonwealth.

O Canadá, por exemplo, recebeu desde cedo os campos de treinos das tripulações aéreas das forças áreas que depois eram enviadas para o Reino Unido e para outros teatros de operações. Doutros pontos do mundo chegava uma imensidão de recursos que os alemães não tinham, e isso acontecia muito antes dos EUA entrarem no conflito.

Este postal integra uma longa lista de produtos propagandísticos – produzidos tanto pelos aliados como pelo eixo - onde eram estabelecidas comparações de diversos tipos.

Neste caso os britânicos tentam contrariar os alemães, que já antes da guerra davam grande destaque aos feitos do nazismo, mostrando as vantagens RAF. No fundo do postal Hitler e Goebbels – chefe do Ministério da Propaganda do Reich – discutem a forma de contrariar os “factos” apresentados pelos ingleses…

Carlos Guerreiro