Pesquisar neste blogue

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Um dólar procura a sua história portuguesa

Esta nota é o que os americanos chamam uma “Short Snorter” e junta as assinaturas dos membros da equipa que em 1943/44 vieram a Portugal para ensinar os aviadores portugueses a voar os P-38, P-39 e B-24 que ao longo do ano anterior tinham aterrado um pouco por todo o país. Entre as assinaturas está também a de um português que foi possível identificar como (…) Lima Costa.

Frente e verso da nota de dólar "Short Snorter" com os nomes da equipa americana e do português.

Esta preciosidade pertence a Mike Allard que tem tentado reconstituir a história da nota e desta missão. Encontrei-o num dos vários fóruns que frequento e resolveu-se avançar também com um apelo em Portugal, onde sei que muita gente acompanha estes assuntos.

Assinatura do elemento português. Parece conseguir perceber-se (...) Lima Costa.

Os nomes que surgem nas duas faces da nota e que foram identificados pelo Mike como:

Edward T. Gwarek
Richard R. Heddens
Gurden B. Swain
Luis C. dePineros
? ? Costa (Piloto Português)
Willard W. Wilson
William A. Thompson
Eugene S. Brown
Lawrence Magliano
John E. Scott
Sherwood Fritzshall
John W. Carroll
John A. Stubs Jr. (assinatura na frente)

No livro “Aterrem em Portugal”, publiquei o extrato de uma investigação realizada por José Manuel Correia e que meses antes tinha sido publicada na revista mais alto:

“A 19 de Dezembro de 1943, chega a Lisboa uma missão comandada pelo major Willard Wilson acompanhado de quatro pilotos e oito mecânicos com o objectivo pôr a voar meia dúzia de B-24 e duas dezenas de caças que se encontravam internados.

Segundo José Manuel Correia, que desenvolveu o tema na revista da Força Aérea, Mais Alto, no princípio de Fevereiro de 1944, Portugal passava a contar com cinco Liberators, prontos a operar, na sua frota. Apesar de não existirem sobressalentes, a canibalização de pelo menos um dos aviões estacionados na Portela permitiu que os restantes ficassem a funcionar.

O primeiro voo com uma tripulação totalmente portuguesa terá acontecido logo a 5 de Fevereiro entre a Portela e a ilha Terceira. Como passageiro seguia o major Humberto Delgado, que tinha como missão preparar a expansão da pista das Lages, para que esta respondesse aos requisitos dos Aliados.

Os aviões recebem as matrículas nacionais L1 a L5 e em Maio, na grande parada militar, são apresentados ao Presidente da República e ao Presidente do Conselho.

Apesar de toda a pompa e circunstância, a vida útil dos B-24 em Portugal parece ter sido curta. Realizaram-se algumas viagens, nomeadamente a Cabo Verde, mas um acidente com um destes aparelhos, com resultados mortais para cinco tripulantes e dois passageiros, em 27 de Julho de 1944, parece ter esfriado o interesse. A falta de sobressalentes também poderá ser apontada como razão para o facto de, a partir do Verão de 1944, poucos meses depois da sua aquisição, a frota ter ficado parada na Portela.

Quando em finais desse ano é criado o Secretariado da Aviação Civil, liderado pelo major Humberto Delgado, os Liberators, tal como os Hudsons e os C-47 internados ao longo do conflito, são apontados como possíveis candidatos a integrar a frota de uma embrionária TAP.

Em relação aos B-24 isso nunca aconteceria. Os custos da sua transformação para voos civis e os seus consumos de combustível não viabilizavam a sua exploração comercial. Ficaram esquecidos na Portela, onde seriam desmantelados em finais de 1946 e princípios de 1947.”

(in Aterrem em Portugal, Parte 4/ Capitulo 9)

O e-mail de Mike é mallard103@comcast.net

Ele agradece qualquer informação tanto sobre a missão como sobre o piloto português que é referido nesta “Short Snorter”. Já agora trata-se de um termo que define uma nota que reúne as assinaturas de um conjunto de pessoas que realizaram juntas uma viagem, normalmente, de avião. É uma tradição americana que começou nos anos 20…

Esta “Short Snorter” é uma cápsula do tempo que conta também parte da história da nossa aviação…

Obrigado Mike por a teres tornado pública.

Carlos Guerreiro

Sem comentários:

Publicar um comentário