Pesquisar neste blogue

A carregar...

sábado, 11 de dezembro de 2010

Acidente “Brasileiro” no aeroporto de Lisboa

O acidente aconteceu exactamente neste dia, há 50 anos, por volta das 14.10 horas...

Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) estava a fazer-se a pista quando bateu com demasiada força na pista. O trem de aterragem do lado direito entrou pela asa do C-54 e incendiou-a.


O aparelho afocinhou e o fogo espalhou-se. Os nove tripulantes, entre eles um general, conseguiram abandonar a fuselagem por uma escotilha superior envidraçada – utilizada normalmente pelos navegadores - mas o segundo piloto caiu no meio das chamas que lavravam na asa, ficando gravemente ferido.



O aparelho era um C-54G-5-DO com o registo FAB2401. Seguiam no seu interior o Major Aviador Oscar Ferreira de Souza (piloto), Major Aviador Antônio Dias Macedo (co-piloto), Capitão Hans Werner Dietzold (navegador) Sargento Fernando Batista, Sargento João L. De Oliveira (Mecânicos), Sargento António Alves Deus (radiotelegrafista), General Cordeiro Faria e Tenente-Coronel Eduardo da Costa Neves (Passageiros). 
 (Foto Eduardo Gageiro, com um obrigado ao blogue "Dias que Voam")

Entre os restantes oito elementos registaram-se queimaduras nos membros superiores e inferiores e algumas equimoses causadas pelo choque. Todos conseguiram escapar com vida, ajudados por militares portugueses que se encontravam no local para acompanhar os três aviões da FAB, que nessa manhã deveriam fazer escala em Lisboa, antes de seguir para o Rio de Janeiro.

Os oficiais portugueses terminaram a espera ajudando a retirar homens e carga dos aparelhos, quando vinham prestar homenagem e honras militares aos... 466 corpos de militares brasileiros caídos em Itália, durante a II Guerra Mundial, que vinham no compartimento de carga dos cargueiros.

Só a parte frontal do avião ardeu e a traseira – onde seguiam parte dos corpos – ficou intacta apesar de algumas das urnas terem ficado ligeiramente chamuscadas. Seria uma dessas urnas – a de um soldado desconhecido – que seguiria no dia seguinte para o Mosteiro dos Jerónimos onde lhe foram prestadas todas as honras militares por parte das autoridades portuguesas.

O Major Brigadeiro José R. Meira de Vasconcelos, da FAB, era então responsável pela operação no Brasil e foi apanhado de surpresa pelo acidente que ocorreu num sábado. Tentou o mais rapidamente possível encontrar um novo C-54 e respectiva tripulação para voar até Portugal e acondicionar carga e passageiros.


Monumento no Rio de Janeiro aos soldados brasileiros mortos na II Guerra Mundial
 (Foto cedida por Major Brigadeiro José de Vasconcelos )

A Força Aérea Portuguesa, antecipou-se, e colocou à disposição um outro C-54 que se encontrou a meio caminho – na Ilha do Sal – com o avião enviado do Brasil. Deste modo foi possível não atrasar as cerimónias de homenagem aos mortos no Brasil, mais especificamente no Rio de Janeiro, onde foi construído um monumento para acolher os corpos de todos os militares da Força Expedicionária Brasileira(FEB).

O Major Brigadeiro José R. Meira de Vasconcelos, também ele um veterano da II Guerra Mundial onde pilotou caças, ainda hoje considera que existe uma grande dívida por parte da FAB para com a congénere portuguesa.


A Cobra que Fuma

Os homens do FEB tinham sido sepultados no cemitério de Pistóia, em Itália, tendo caído em vários combates nos anos de 1944 e 1945. De um total que rondou os 25 mil homens – dos três ramos das forças armadas enviadas para o teatro de operações europeu - cerca de meio milhar nunca regressou a casa.


No Brasil ficaram conhecidos como os "pracinhas" e tinham como símbolo uma cobra que fumava. Um símbolo que só mesmo a boa disposição brasileira poderia criar...

O Brasil declarou guerra à Alemanha logo logo em 1942 depois de vários navios seus terem sido afundados por submarinos alemães. Getúlio Vargas, o presidente da República Brasileira, não era menos ditador que outros governantes fascistas europeus mas temia mais a Alemanha do que os aliados. Tinha também mais a ganhar com uma aliança com o vizinho do norte do que com um país do outro lado do oceano.

Quando fez a declaração de guerra prometeu enviar cem mil homens para a frente de combate, mas os anos passaram e nunca mais se verificou a esperada mobilização de forças. A população começou a dizer que só sairiam soldados brasileiros para a Europa “quando a cobra fumasse” – ou seja nunca.

Enganaram-se, a cobra fumou... mesmo.

Carlos Guerreiro

Sem comentários:

Enviar um comentário