Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 20 de maio de 2019

«Escaparate de Utilidades»
Sociedade Industrial de Toldos e Encerados

Revista "Stadium", 24 de Maio de 1944

sexta-feira, 17 de maio de 2019

"Música degenerada" do III Reich para dançar no Estoril

Amanhã, sábado, Dia Internacional dos Museus, o Espaço Memória dos Exílios, no Estoril, vai abordar a questão da relação entre o Terceiro Reich e a musica a que chamou ‘Degenerada’ – o jazz e o swing, e sobre o papel que a música e dança desempenharam enquanto actos de resistência, e de propaganda durante o período do nazismo.

Os Ghetto Swingers tocam em Terezin, o filme de propaganda Nazi sobre a vida no campo de concentração de Terezin, realizado por Kurt Gerson
A sessão começa às 14h30, e a apartir das 15h00, poderá dançar. Primeiro pode aprender ou recordar uns passos durante um workshop de Lindy Hop/Swing com os monitores da Swing Station e depois pôr em prática o que aprendeu.

O workshop é gratuito, requer marcação por o e-mail: eme@cm-cascais.pt

quinta-feira, 16 de maio de 2019

O arquitecto alemão do Hospital de Santa Maria é tema no Estoril


O Espaço Memória dos Exílios recebe esta noite, pelas 21 horas,  Ana Mehnert Pascoal que vai falar sobre Hermann Distel, o arquitecto alemão que projectou os Hospitais de Santa Maria, em Lisboa, e São João, No Porto. 

Distel teve uma carreira de sucesso durante o III Reich alemão sendo um dos especialistas mundiais na planificação de unidades hospitalares. As relações entre o Estado Novo e  Alemanha Nazi e as razões que levaram o Governo português a escolher este arquitecto são alguns dos temas que vão ser abordados... 

Vilar Formoso recorda papel na guerra

No próximo fim-de-semana Vilar Formoso vai recuar no tempo e regressar ao período da II Guerra Mundial com dois espectáculos que revisitam as memórias da chegada àquela localidade fronteiriça de milhares de judeus que fugiam do conflito e procuravam em Portugal uma porta de saída da Europa para países mais seguros.

Os espectáculos terão como cenário o Largo da Estação, junto ao Polo Museológico Vilar Formoso Fronteira da Paz - Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes. No sábado, a partir das 16:30, terá lugar a representação "Setembro 1939 - A defesa de Varsóvia" e, no domingo, pelas 10:30, o público pode assistir a "Vilar Formoso - O caminho da liberdade e da esperança".

Estas representações envolvem cerca de 60 pessoas e serão feitas pela Associação Histórico Cultural Poland First To Fight e pela Associação Norland.

"Setembro 1939 - A defesa de Varsóvia" tem uma duração média de 30 minutos mostrando dez cenas que apresentam momentos diferentes da defesa de Varsóvia entre 06 e 29 de Setembro de 1939 - dias entre os quais a capital polaca foi cercada até finalmente se render.

Por seu lado a "Vilar Formoso - O caminho da liberdade e da esperança", terá uma duração de dez minutos reunindo três cenas que apresentam o caminho dos refugiados da França até Vilar Formoso: entrega de vistos pelo cônsul de Portugal; travessia da fronteira franco-espanhola; travessia da fronteira luso-espanhola.

No sábado, pelas 11:00, prepara-se também uma visita às exposições "Polónia 1939 - 1947: O preço da honra" e "Os polacos em Portugal nos anos 1940 - 1945", patentes no posto de Turismo de Vilar Formoso.

As actividades são promovidas pela Câmara Municipal de Almeida e pela Junta de Freguesia de Vilar Formoso, com a colaboração do Ayuntamineto de Fuentes de Oñoro (Espanha), das Embaixadas da República da Polónia e de Espanha, da Associação Sociocultural Tierras de Piedra e da Associação Histórico-cultural Poland First to Fight.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Bacalhoeiro "Ana I" recolhe náufragos de navio grego

Em Outubro de 1940 o bacalhoeiro "Ana I" encontrou náufragos de um cargueiro grego afundado por um submarino italiano dias antes... 

Mais um caso acrescentado ontem à lista relativa aos salvamentos realizados por navios portugueses entre os anos de 1939 a 1941...

Pode encontrar toda a história AQUI...

sábado, 11 de maio de 2019

Modelismo pelo Algarve

O Núcleo de Modelismo da Casa da Cultura de Loulé - criado recentemente - tem hoje a sua primeira actividade pública, promovendo uma Feira de Trocas de Modelismo, entre as 14:00 e as 19:00, em frente à sede da CCL, no Parque Municipal da cidade (logo atrás do monumento ao Eng.º Duarte Pacheco).

Esta é a primeira de várias iniciativas planeadas para este ano.  A segunda edição desta feira será em Outubro, e em Novembro teremos a ModelCult 2019 - Mostra de Modelismo do Algarve.

São razões para sair de casa no fim-de-semana...

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Novo site “Portugal 1939-1945”

No dia em que se lembra o fim da II Guerra Mundial – 8 de Maio de 1945 – apresento o meu mais recente projecto: "O Site "Portugal 1939-1945".


Este novo espaço pretende continuar a contar histórias da história do país durante o período da II Guerra Mundial, complementado o blogue “Aterrem em Portugal!”. Para além de material inédito vai também, no futuro, ajudar a organizar algum dos material que tem sido publicado no blogue, até porque sendo bilingue vai permitir levar a nossa história a um público mais alargado.

Por agora o “Portugal 1939-1945” arranca com informações mais de uma centena de aviões de países beligerantes que caíram ou aterram no nosso país e também com dados sobre os salvamentos realizados por navios nacionais durante o mesmo conflito. Neste último caso a listagem refere-se apenas às datas entre 1939 e 1941. Nos próximos meses serão introduzidos dados sobre salvamentos efectuados até 1945..."

Para facilitar o acesso as informações estão divididas por áreas. A área que se refere ao AR está obviamente relacionada com a aviação e a do MAR com os navios. No futuro estão planeados outros espaços de divulgação, que serão falados a seu tempo.

O site conta por agora com presença nas redes sociais Facebook e Twitter, mas aqueles que já seguem o blogue “Aterrem em Portugal!”, não precisam de se associar pois pretendo que exista fluidez entre os dois espaços. A informação relevante tanto de um como do outro irá ser divulgado em todas as plataformas.

Em 2014 criei no blogue uma página chamada “Portugal 39/45”. A construção do site é, em parte, a concretização de parte desses projecto. Demorou muito mais do que eu queria ou alguma vez pensei…

Para a sua concretização agradeço a ajuda e colaboração de várias pessoas. Destaco especialmente o Paulo Rodrigues que no CENJOR, em Outubro de 2017, me deu as primeiras luzes sobre o “Worpress” e criou as fundações sobre as quais ergui o resto. Sinceramente nunca serei um construtor de sites, porque já esqueci quase tudo sobre esses primeiros passos…

Durante o resto do processo e, especialmente, na fase final contei com a ajuda de muito mais gente. Corrigiram textos, deram dicas sobre grafismo, cores etc… Foi uma ajuda essencial para o que hoje está acessível. Peço desculpa por não referir ninguém, mas iria certamente esquecer-me de alguém… Seria uma injustiça. Peço desculpa por não os nomear individualmente, mas agradeço do fundo do coração a todos.

Estão cerca de centena e meia de páginas disponíveis com informação. Façam o favor de aproveitar clicando AQUI

Um abraço.

Carlos Guerreiro

terça-feira, 7 de maio de 2019

Programa de Maio para o Espaço Memória dos Exílios

Avraham Milgram vai estar
quinta-feira no Estoril 
“Contíguos e separados. Cristãos-Novos, sefarditas, ashkenazitas e refugiados da Europa Nazi em Portugal, 1900-1950", é o tema que será abordado esta quinta feira, pelas 21.00 horas, no Espaço Memória dos Exílios em Cascais por Avraham Milgram, o historiador israelita, antigo investigador no Memorial Yad VaShem, em Jerusalém, com trabalho publicado sobre a história dos judeus em Portugal e no Brasil.

Na quinta-feira da semana seguinte, 16 de maio, também às 21.00 horas, será a vez de Ana Menhert Pascoal, investigadora no ARTIS-Instituto de História de Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, apresentar o trabalho do arquitecto alemão Hermann Distel que, com uma carreira estabelecida no III Reich, foi seleccionado para projectar os Hospitais de Santa Maria, em Lisboa, e o de S. João, no Porto.

No Sábado, dia 18 de maio, entre as 14.30 e as 17.00 horas, o espaço do Estoril celebra o Dia Internacional dos Museus. Com o tema ‘Os Museus como Centros Culturais: o futuro da tradição’, poderá assistir a uma breve conversa sobre a história da música jazz no III Reich,  seguida de um workshop de swing e lindy hop. A participação é gratuita, mas requer inscrição prévia através de email para eme@cm-cascais.pt .

Boas saídas...

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Filha de piloto americano de B-17 que amarou perto de Sesimbra visitou Portugal

Suzanne Borto, filha de Novo Maryonovich, piloto do bombardeiro americano B-17 que amarou no mar perto de Sesimbra em 1943, visitou durante a última semana Portugal, realizando um passeio por vários locais do país que se prolongou por uma semana.

Tripulação do B-17que desceu no mar frente a Sesimbra. 
Hugh Bradford, Ed Johnson, Carl Williams, Gordon Akley, Edward McMillen, Armstrong (de pé e da esq. para a dir.), 
Bill Flagler e Novo Maryonovich (em baixo). 
Armstrong não voou na missão e no seu lugar estava Frank Stetson. 
(Foto Rich Maryonovich)
No último domingo encontrámo-nos em Lisboa para algumas horas de conversa antes do regresso aos EUA. Portugal entrou na rota das viagens que realiza com regularidade em memória do pai, Novo Maryonovich que durante uma operação de bombardeamento a França, em 5 de Dezembro de 1943, teve problemas num motor acabando por amarar ao largo de Sesimbra onde foram recolhidos e trazidos para terra.

Novo conheceria a mulher em 1944 e casaria com ele nesse mesmo ano, criando quatro filhos. Após a guerra mudou o nome de Maryonovich para Martin e tornou-se bombeiro profissional. Faleceu nos anos 90 e a mulher já depois de 2000.


As voltas de um B-17

O bombardeiro com a matrícula 42-3294, com o nome “Suzanne”, partiu de Inglaterra com a missão bombardear aeródromos na zona de Bordéus, em França, mas a caminho, sobre a Baía de Biscaia, tiveram problemas num dos motores e foram obrigados a abandonar a formação.

Atiraram para fora do aparelho tudo o que puderam, incluindo o armamento, para ficarem mais leves e manterem o aparelho estável. Resolveram não voltar para trás porque sabiam que sempre que partiam esquadrilhas os alemães colocavam caças na zona da baía da Biscaia para abater bombardeiros isolados, perdidos ou que tentavam regressar devido a problemas, como era o seu caso.

Resolveram tentar a viagem até Gibraltar onde poderiam reabastecer e reequipar-se para regressar à base.

Perto de Sesimbra ficaram, no entanto, sem combustível e foram obrigados a amarar. Toda a tripulação saiu ilesa e foi recolhida por embarcações de pesca.

As autoridades portuguesas entregaram-nos à Legação Americana. Ficaram por Lisboa durante uma semana tendo sido repatriados – enviados para Inglaterra - a 12 de Dezembro de 1943.

Suzanne Borto em Lisboa durante o passeio
que realizou por Portugal na última semana.
Obrigado pela visita Suzanne Borto e por nos trazer mais histórias para nossa história…

Carlos Guerreiro

sexta-feira, 26 de abril de 2019

O estranho ataque ao “Vale Formoso Segundo”

“Um erro desafortunado. Temos de ser muito cautelosos com o que vamos dizer aos portugueses, apesar de parecer que o nosso rastro está bem dissimulado caso queiramos encobrir o nosso erro”. A nota manuscrita na primeira página da pasta de documentos que se encontra nos arquivos nacionais britânicos em Kew não deixa dúvidas sobre a singularidade do caso que se esconde nas páginas que se encontram lá dentro: a mal conhecida história do ataque a um pequeno iate-motor português chamado “Vale Formoso Segundo”, um mercante registado no porto de Faro, no Algarve.

Vista de Faro.
Fotografia publicada pela revista Panorama em 14 de abril de 1943.

(Hemeroteca Digital)
Os acontecimentos tiveram lugar perto da costa italiana, na madrugada nebulosa e de mar calmo de 26 de Abril de 1942, numa altura em que a bordo do “Vale Formoso Segundo” se verificou que havia um desvio na rota estabelecida, tendo a viagem nocturna aproximado o navio demasiado de terra. Pelas cinco e meia da manhã a tripulação tentava afanosamente corrigir o rumo quando se ouviu um primeiro tiro de canhão.

A origem do disparo foi rapidamente localizado cerca de meia milha pela proa, local onde emergia a torre de um submarino. O capitão José Joaquim Correia ordenou de imediato que se atravessasse o navio, se parasse o motor e se arriasse o pano, enquanto se mantinham visíveis as bandeiras com o nome do navio e a bandeira nacional, mas sem grandes resultados: “O desumano submarino continuou a disparar rajadas de metralhadora e tiros de peça, conservando-se sempre na nossa proa e sempre mostrando apenas a torre à superfície”, relatava dias mais tarde o protesto de mar entregue às autoridades portuguesas.

A insistência do atacante deixou marcas no navio e num tripulante. “Meteu uma granada no costado pela amura de bombordo, acima da linha de água; fez vários raspões no costado e na borda; furou as velas; cortou vários cabos de manobra e uma boia de salvação circular; sendo atingido por um estilhaço de granada de raspão no braço esquerdo o ajudante de motorista Donaldo R. de Sousa Marques felizmente sem gravidade”.

Segundo o protesto de mar foi já em pleno ataque que se hasteou uma bandeira italiana, o que parece ter acalmado a sanha bélica do submarino que se colocou ao lado iate por bombordo questionado o capitão português: “Pelo porta-voz perguntou-me se falava italiano, respondi que compreendia; então perguntou-me se eramos portugueses ou suíços, respondi que eramos portugueses, que vínhamos de Génova onde tínhamos ido levar carga para a suíça e nos destinávamos para Portugal; então perguntou porque nos encontrávamos ali, respondi que fora a corrente de água que nos tinha arrastado um pouco para terra durante a noite e que nos íamos afastar mais para fora. Então mandou seguir para o sul”.

José Joaquim Correia repete no seu relato que apenas conseguiu avistar a torre e não a estrutura do submarino antes deste submergir logo após a troca de palavras. Para além dos estragos visíveis por toda a parte, foram encontrados um bocado de granada, um percutor e vários estilhaços que seguiram com o navio para Gibraltar onde entraram para realizar reparações.


“Deixem as coisas ficar como estão”

Foi após fundearem no porto britânico, às 15.15 horas de 2 de maio de 1942, que começou a troca de mensagens entre Gibraltar, Lisboa e Londres. O primeiro telegrama foi enviado da Embaixada britânica na capital portuguesa para o comando marítimo do Atlântico Norte (FOCNA – Flag Officer Commanding North Atlantic) na sequência de notícias publicadas na imprensa portuguesa que davam conta do ataque. Pretendia-se confirmar a informação da presença na base do mediterrâneo e, simultaneamente, obter uma nota oficial assegurando que nenhuma unidade aliada era responsável pelo incidente.

Esta primeira missiva seguiu a 9 de Maio e logo no dia seguinte veio uma resposta que fez disparar os alarmes entre as autoridades navais do Reino Unido. Afinal o ataque fora executado pelo submarino P42 - “HMS Unbroken” - que tinha tido dificuldades em identificar a “escuna” que se aproximava, abrindo fogo com canhão e metralhadora. De resto o navio hasteava duas pequenas bandeiras – a portuguesa e suíça – que os ingleses não conseguiam identificar e – segundo o relatório do tenente Mars da Royal Navy - uma italiana de maiores dimensões. Apesar de tudo os portugueses tiveram a sorte do seu lado pois o submarino também disparou dois torpedos, mas um passou pela proa do veleiro sem lhe tocar e o outro mergulhou para o fundo mal saiu do tubo explodindo quando tocou na areia, causando até alguns danos aos britânicos.

Mas havia também notícias menos alarmantes. Uma delas era o facto de José Joaquim Correia, nas declarações que fizera às autoridades gibraltinas, ter identificado o atacante como sendo italiano, dando como justificação o facto de estarem fora de rota. A outra prendia-se com o facto do percutor – com marcas que o poderiam identificar como sendo de origem britânica – tinha sido entregue a oficiais da Royal Navy.

Face a esta situação um outro telegrama, enviado pelo almirantado ao Adido Naval na Embaixada de Lisboa, levantava a questão sobre qual a atitude a tomar: “Submarino falou apenas italiano. (…) Temos a alternativa de nada dizer, deixando que os tripulantes acusem os italianos, ou explicar a situação”. A resposta da capital lusa foi lesta: “Autoridades portuguesas estão convencidas de que submarino era italiano. Considero que melhor política é nada dizer. Embaixador Concorda”.

Nas trocas de correspondência e telefonemas que se seguiram foram tidos em conta os diversos cenários. Havia quem defendesse a necessidade de ser franco com Salazar, até porque o navio estava fora de rota e tinha hasteado a bandeira italiana, o que de certo modo sancionava o ataque. Outros tinham opinião contrária alegando que o caso já se arrastava há dias sem que os portugueses suspeitassem do seu envolvimento, mas que este intervalo de tempo sem assumir responsabilidades colocaria futuramente os britânicos sob suspeita imediata sempre que houvesse uma ataque, mesmo quando este fosse realizado - de facto - por unidades do Eixo. Sugeriu-se por tudo isto que o melhor seria deixar as coisas ficarem como estavam. A expressão utilizada é até curiosa: “My own instinct is to let sleeping dogs lie and to avoid being drawn into this, unless the situation demands it”.

Os italianos arcaram com as culpas...

Curiosamente no mesmo dia em que o “Vale Formoso Segundo” entrou no porto de Gibraltar também lá atracava o P42, comandando pelo tenente Alastair Campbell Gillespie Mars. Durante três dias os dois navios estiveram relativamente perto um do outro, mas José Joaquim Correia foi incapaz de reconhecer o seu agressor…

Carlos Guerreiro

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Portugueses na resistência francesa durante a II Guerra Mundial

Pode adquirir o livro AQUI.
Fica hoje disponível nas bancas "A sombra dos heróis", o mais recente livro do jornalista José Manuel Barata-Feyo, que  reúne as histórias nunca contadas de 347 portugueses que lutaram em França contra nazismo.

No total são 320 páginas, editadas com a chancela da editora "Clube do Autor". O jornalista disse recentemente no Porto que ficou apaixonado pelo tema, estando agora a pensar escrever sobre os 905 portugueses que se alistaram no exército francês.


Fica a sinopse oficial:

Em Portugal, até hoje, pouco se sabe sobre os portugueses vítimas dos nazis em França. Mas se assim é em relação às vítimas, a ignorância é absoluta no que respeita às centenas de homens e mulheres que combateram os nazis durante a ocupação do país.

Cidadãos de um país neutro, centenas de portugueses podiam ter-se adaptado às circunstâncias e ao diktat do invasor alemão. Em vez disso deixaram o conforto relativo das suas famílias, das suas casas e dos seus empregos, esqueceram o interesse próprio e lançaram-se num combate desigual pela liberdade.

A Sombra dos Heróis dá vida à história desconhecida destas centenas de homens e mulheres de carne e osso, lutadores de exceção, num relato fascinante sobre a resistência e abnegação humanas.

Boas leituras.


sexta-feira, 5 de abril de 2019

Portugueses forçados a trabalhar pelos nazis são tema em Cascais


A historiadora Cláudia Ninhos vai estar no Espaço Memória do Exílios, em Cascais, no dia 11 de Abril pelas 21.00 horas, para falar sobre os mais recentes dados relacionados com o milhar de portugueses forçados a trabalhar para o regime Nazi durante a II Guerra Mundial.

Ao longo da Segunda Guerra Mundial o regime Nazi deportou milhões de civis estrangeiros, incluindo portugueses, utilizando-os como mão-de-obra escrava. Até hoje foram identificados cerca de um milhar de portugueses forçados a contribuir para o esforço de guerra alemão.

Em discussão vão ser abordadas como a de sabe quem foram estes homens, mulheres e crianças? E as razão, porque sendo portugueses, foram deportados?

Boas

segunda-feira, 25 de março de 2019

quinta-feira, 14 de março de 2019

Exilados que passaram por Cascais em conferência


Há mais de 20 anos descobriram-se milhares de Boletins de Alojamento para Estrangeiros pertencentes a hóspedes que tinham passado por Cascais durante o período da II Guerra Mundial. Pelos hotéis daquela vila e estância balnear passaram exilados, diplomatas, espiões e muitos outros.

Esta descoberta esteve na base da criação do Espaço Memória dos Exílio, que nas próximas semanas vai ser palco de um ciclo de conferência dedicados a esta temática.

Para inaugurar este conjunto de ações comemorativas dos 20 anos do EME, António Carvalho, Diretor do Museu Nacional de Arqueologia, vai relembrar hoje (14 de Março de 12019), pelas 21 horas, a descoberta deste espólio, a criação do EME e o seu papel na reabilitação da memória dos milhares de estrangeiros que passaram por Cascais neste conturbado período da história mundial.

quinta-feira, 7 de março de 2019

Força Aérea procura a sua história



A Força Aérea Portuguesa (FAP) está a desafiar aqueles que passaram pelas suas a fileiras e outros a colaborarem na construção da sua história enviado fotografias e outros documentos capazes de enriquecer os arquivos da instituição.

O material deve ser enviado para o Serviço de Documentação da FAP no e-mail:

Sdfa_chf@emfa.pt

Bons voos...

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Para ver durante a semana...

Até ao final da semana pode visitar junto da Biblioteca da Eascola EB. 2, 3 Cardoso Lopes, na Amadora, a exposição "Contar o Holocausto..."

Nesta mostra poderá encontrar espaços expositivos dedicados a Adolfo Hitler, uma reconstituição de uma câmara de gás, os vários símbolos dos uniformes usados pelos presos dos campos de concentração, informação sobre Anne Frank e Aristides de Sousa Mendes. Presentes estão também obras infantis e da historiadora Irene Pimentel dedicados a esta temática, cartazes daquele período e outras informações e peças...

Até ao dia 8 de março pode também visitar "Desenhar contra o esquecimento" no Andar Nobre da Assembleia da República. Trata-se de uma mostra realizada em parceria com a Embaixada da Áustria e a Embaixada da Alemanha, que consiste em desenhos de grande escala, a carvão, representando crianças assassinadas durante o regime nazi. Cada desenho é acompanhado por textos de contextualização.



Boas visitas...

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

O Postalinho...
Um caso único na História do Crime


Postal alemão de propaganda publicado em data desconhecida, mas certamente posterior a fins de 1941, altura em que o EUA entraram na guerra.

Os alemães ridicularizam a aliança entre britânicos, americanos e a russos, aqui representados pelos seus líderes, nomeadamente, Churchill, Roosevelt e Estaline.

A associação da imagem dos três líderes foi utilizada para desacreditar os aliados porque a máquina de propaganda do Eixo sabia que em Portugal se admirava a Inglaterra, se suspeitava dos americanos, mas, acima de tudo, se temia a Rússia e o comunismo. 

Estaline surge normalmente com um aspecto andrajoso ou monstruoso, consoante o tipo de representação pretendida, o que acentua ainda mais a diferença em relação às duas outras personagens.

Carlos Guerreiro

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

«O homem que veio do Outro Mundo» (4)
A vida em Dachau

Terminamos nesta publicação a transcrição da entrevista dada por José Agostinho das Neves ao jornalista Fernando Teixeira, do Diário Popular, em Novembro de 1945.

Nesta trecho é descrita a vida em Dachau e a libertação do campo pelos americanos...

Espero que o trabalho em transcrever estas longas páginas de jornal sejam úteis.



Recomeça aqui a transcrição:

Seis homens numa cama com 70 centímetros de largura

“Eu vou com alguns dos meus companheiros, de França, para o Block-21. O recinto ocupa uns mil metros quadrados. Ficámos ali a viver 1200 homens que, durante a noite, deveriam dormir numa barraca que mal comportava 300. Quando nos cabia a vez de adormecer sob o telhado da barraca, a coisa não era fácil, pois as camas, de madeira, sobrepostas em três compartimentos, só tinham 70 centímetros de largo para seis homens cada.

O que nos valeu foi que a fome nos havia feito emagrecer muito…”

- Como era o regime dos prisioneiros em Dachau?

- De manhã, às 4 e meia, eramos obrigados a levantar-nos e a sair para o pátio onde permanecíamos todo o dia até às 7 da tarde, qualquer que fosse o tempo cá fora. No Inverno, o sofrimento foi doloroso. Com a chuva, a neve e o frio e sem nos podermos abrigar «, só nos restava um recurso: apertar-nos uns de encontro aos outros, como um rebanho de carneiros e ficarmos para ali a procurar não deixar fugir o calor que cada um de nós pudesse armazenar e ceder ao outro. Sem roupa que chegasse e sem calçado, com uma temperatura de 24 graus abaixo de zero, muitos caiam sem sentidos e, assim iam morrendo. Outros, com os pés gelados e gangrenados, eram levados ao hospital ou metidos como coisa inútil no forno crematório e queimados vivos. O espectáculo começou a ser tão vulgar que cada um de nós esperava a entrada no forno como o fim lógico daquela vida ilógica. Durante o dia, para romper a monotonia daquela vida miserável e para que os guardas não se aborrecessem, faziam-nos formar e conservar horas seguidas na posição de sentido para ver a nossa resistência e separar os que deviam partir para os trabalhos nos “comandos” e os que, por serem fracos, iam acabar na câmara dos gases, mortos por asfixia e intoxicação.

A voz do meu companheiro de Paris volta a ter um som cavo, e a sumir-se como se as próprias palavras lhe causassem pavor:

- Quando se fazia esta escolha – a “visita” como nós lhe chamávamos – o silêncio era profundo, doloroso. Cada um de nós pensava consigo: “Será agora a minha vez? Os mais animosos despediam-se dos camaradas antes de serem levados para a câmara de gases e abriam a boca num sorriso em que ia todo o seu desprezo pelos “nazis”, aniquiladores de uma raça, de uma civilização, de um continente.

Outros tinham um grito pueril: “Os americanos hão-de vingar-nos!”

Os alemães sabiam do avanço aliado em terras da França e da própria Alemanha – e não perdoavam. E muitos dos condenados eram mortos ali mesmo a tiro. Menos gás que se gastava na câmara…


Atacado de tifo e não tratado

Depois de ter escapado em várias “visitas”, acabei por ser incorporado num transporte com destino a Hamburgo. Mas não cheguei a ir. Atacado de tifo, estive nove dias com 40 graus de febre. Os meus companheiros, condoídos, amontoavam-se nas outras camas para me deixarem só com mais dois no meu leito. Mas ninguém podia tratar-me. E os médicos do campo tinham mais que fazer, ocupados em averiguar até que ponto resistiam aos bacilos do cólera e do paludismo alguns dos internados no campo transformados em cobaias. Depois dos nove dias, começo a sofrer de disenteria. Os camaradas chamaram os guardas. O meu estado já não deixava ilusões a ninguém. Sou então dado como “kaput” e levado para o “block 30” – o dos condenados a desaparecer, pela fome ou pela doença.

Aí, a lotação era de 1200 homens e já não havia camas. Tíficos, tuberculosos, grípicos, estavam, lado a lado no chão da barraca carpindo as suas dores, delirando nos seus sonhos de febre alta. Morriam, em média, 40 por dia. De manhã os cadáveres eram levados para a casa de lavar (a indiferença com que nós os afastávamos do caminho quando íamos passar um pouco de água na cara e nas mãos!) Depois um carro vinha buscá-los descarnados, amontoados uns sobre os outros, nus (porque o seu fato ia logo servir a outros que entrassem de novo!).

Nunca mais poderei esquecer esse carro fantasma! Quantas vezes, ao vê-lo passar, eu cheio de febre, de dores, de fome, de sede pensava para comigo próprio: “Que mal terei eu feito ao mundo, a este homens? Porque não morro sem mais sofrimentos? Para que resisto? E porque não terei eu direito a viver feliz? Quem semearia urtigas no meu caminho? Quem? Depois, caía, - abatido. Mas sem sabe como, aguentei-me. E, apesar dos meus 39 quilos de peso, a febre ia passando, diminuído dia a dia.

Comecei a comer (nunca fui tratado do tifo ou da disenteria com medo de morrer de fome. De resto a comida não era tanta que matasse: de manhã uma beberagem a que podia chamara-se chá ou café conforme o gosto; ao meio dia, um litro de água quente com um pouco de beterraba; às 7 da tarde, 150 gramas de pão, uma rodela de salsicha e meio litro de infusão de ervas, sem açúcar.


A flagelação e a agressão

- Como explica a sua resistência à doença?

- Sabe-se lá! Quando voltei a Paris, um médico disse-me que tinha esgotado todas as minhas reservas. E que me valera não ter sofrido qualquer castigo grave durante o tempo que estive em Dachau. Se isso tivesse acontecido, não resistiria à perda de mais reservas do organismo. E o meu castigo foi só estar nu e em pé um dia inteiro no pátio porque aparecera um piolho na minha cama…

- Mas de que sorte eram os outros castigos?

- O mais frequente era o da flagelação. O castigado deitava-se sobre um pequeno carrinho de jardim, de joelhos, com as mãos atadas à roda. Dois guardas, munidos de nervos de boi, aplicavam-lhe então, alternadamente, nas costas e nas nádegas, o número de vergastadas que lhe fora atribuído, nunca inferior a 25. Vi um homem que ficou com os ossos à superfície, após ter recebido 300 vergastadas. E quando o supliciado soltava um grito, os golpes dados não eram tidos em conta e a contagem começava de novo. Felizmente, nunca recebi qualquer castigo destes. Fui agredido várias vezes a soco e a pontapés, feriram-me com um pau na cabeça, partiram-me os óculos por duas vezes. Foi tudo. Mas os outros… Quantas vítimas dos “nazis”! O forno crematório ardia constantemente. E na sala de banhos havia barras de madeira para os enforcamentos…

- Quais foram os factos que mais o impressionaram durante a sua estadia em Dachau?


O Homem que morreu quando quis

-É difícil. Foram tantos… Mas sabe, depois, a sensibilidade embota-se, já não temos cérebro, nem coração. Andamos, falamos, gritamos ao acaso… Autómatos, enfim. O que mais me impressionou? A morte daquele professor de francês que era meu companheiro de “blok”. Não merece a pena dizer o nome. Um dia, dia nevoento e chuvoso, arrastou-se até junto de mim e mais dois companheiros. Queixou-se amargamente da sua sorte. Depois, encolheu os ombros e disse: “também não vale a pena incomodar-me: isto está por pouco”… Olhou-nos bem de frente com os seus olhos ingénuos, transparentes… E disse-nos adeus. Soubemos depois, duas horas mais tarde, o que acontecera. Saíra de junto de nós, fora à casa de lavar, afastara os cadáveres que estavam no chão, despira-se todo, deitara-se na laje fria. Cinco minutos depois estava morto.

“Aquele soubera vingar-se dos alemães. Eles não o mataram. Foi ele, foi ele que morreu quando quis…”

O outro facto mais impressionante, foi – como não podia deixar de ser – a chegada dos americanos a Dachau. Eu já não tinha esperanças de os ver… Mas um dia, os guardas começaram a fugir, a ser amáveis… Desconfiámos. A câmara de gases estava cheia. Eles bem queriam limpá-la. Mas não tiveram tempo. Quando um companheiro me veio dizer que os americanos estavam já no campo, desatámos os dois a rir às gargalhadas, como doidos. Depois, pedi-lhe ajuda. Levantei-me. Queria ir vê-los. Os meus 39 quilos não aguentavam a caminhada. Levei duas horas da minha barraca ao largo central do campo. Mas cheguei – e ainda tive forças para responder às perguntas:

- O seu nome?

- José Agostinho das Neves, natural de Lisboa… Residia em Paris…

Caí no chão, exausto a chorar e a rir… Voltara do Outro Mundo.

Reportagem de Fernando Teixeira, in Diário Popular, 23 de Novembro de 1945

--- Leia aqui as PARTE 1PARTE 2; PARTE 3

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

"Debaixo do Céu" com Irene Pimentel


No próximo sábado, dia 9, a historiadora Irene Pimentel vai estar presente na sessão de "Debaixo do Céu" que vai ter lugar no Cinema Ideal. Será pelas 17.15 horas.

Presentes vão também estar o realizador Nicholas Oulman e o produtor Paulo de Sousa... 

Um bom filme... 

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

«O homem que veio do Outro Mundo» (3)
O longo caminho para Dachau

Continuamos com a transcrição da entrevista dada por José Agostinho das Neves ao jornalista Fernando Teixeira em finais de 1945. O homem que terminaria a guerra no campo de concentração de Dachau continua o relato do que aconteceu durante a viagem no "comboio fantasma". Por causa das acções da resistência francesa e do avanço aliado após o Dia D, o percurso entre o campo de concentração francês de Vernet e a Alemanha, prolongou-se por meses...

Ficam também as primeiras impressões sobre Dachau.

Como já foi referido a entrevista foi tema em duas edições distintas do jornal Diário Popular. Com esta publicação vamos transcrever as primeiras linhas publicadas na edição do dia 23 de Novembro de 1945.

Título na primeira página do "Diário Popular", de 25 de Novembro de 1945.

O Homem que veio do Outro Mundo (2)

A caminho de Dachau

Dois meses de comboio para ir de França à Alemanha
A vida num campo de concentração alemão descrita por um português prisioneiro

A conversa com o meu companheiro daquele fim de tarde de Paris durou algumas horas. E o que mais me impressionava nele era a arrumação das suas recordações. Dir-se-ia que tinha escrito na memória, que folheava páginas de um livro. Foi ele que me deu a explicação:

- Não se admire. Durante meses e meses, não pude ter o prazer do isolamento. Vivi sempre, onde quer que encontrasse, lado a lado, ombro a ombro com outros homens. Não olhava para qualquer parte que não visse um rosto amargurado. Não soltava um gemido que não recebesse outro em troca. E eu que gostava de me isolar, de pensar – só encontrei remédio nesta espécie de nirvana a que me votava. Durante esses momentos, recapitulava a minha vida e fazia o possível por esquecer o que me rodeava. Tantas vezes o fiz que as imagens, as datas e as palavras, à força de repetidas, nunca mais me esqueceram.

Uma pergunta que eu queria fazer-lhe há muito tempo:

- Havia muitos portugueses nos campos de concentração onde esteve?

- Em Dachau, onde terminei a minha odisseia, conheci oito, vindos de vários pontos da Europa. Só regressei eu e outro que mais tarde vi aqui em Paris e creio que vive agora na província. Comigo no comboio seguira também outro. Em Angoulême, foi atingido por uma bala explosiva numa perna, durante o ataque dos aviões ingleses. Mas como no momento de ser transportado para o hospital, lhe foi descoberta nos bolsos uma carta, devolveram-no para o vagão e ali ficou sem qualquer socorro – à espera que a perna apodrecesse ou se curasse milagrosamente. Soube-se depois que a carta lhe fora entregue por um companheiro com o pedido de, no Hospital, a mandar para o correio. Esse companheiro tinha mulher e queria dar-lhe a ilusão de que vivia. A carta nunca chegou ao seu destino – e ele também não. Morreu pouco tempo depois, noutro vagão desconjuntado de outro comboio infernal.

Uma pausa para «ler no cérebro». E a história interrompida, contínua:

- Andávamos nove dias neste vaivém de comboios no sul da França. Impossível avançar, tais eram as destruições operadas pelo «maquis» nas vias férreas. E voltámos a Bordéus. Desembarcámos a custo. Mal nos tínhamos de pé. Mandaram-nos seguir ruas fora durante a noite e acabaram por nos metes no edifício de uma sinagoga onde ficámos dias e dias à espera do inverosímil: que os comboios pudessem seguir para a Alemanha. O templo israelita tinha sido, no seu interior, completamente devastado pela soldadesca alemã. Ainda havia montes de pedras, de madeira, de caliça. Misturámo-nos com o lixo, os ratos, as baratas, e toda a espécie de parasitas. Amontoámo-nos uns em cima dos outros a fim de arranjar lugar deitado para os doentes e feridos. O português, com a barriga da perna furada, gritava desesperadamente. Quanto sofreu o infeliz! Mal sabia ele que só dois meses depois, na Alemanha, seria tratado! E quem lhe diria que, após esta prova de resistência quási inacreditável, haveria de morrer estupidamente de uma gripe – que de ninguém tratou evidentemente!


100 homens fechados à chave

Certa vez tínhamos acabado a nossa única refeição do dia – uma malga de caldo e um pedaço de pão de cor duvidosa – quando se abriram de novo as portas da sinagoga. Íamos voltar a embarcar. Na estação, esperavam-nos mais 400 presos, entre os quais 80 mulheres, vindos não sei de onde. Encurralaram-nos em vagões como nas viagens anteriores – somente um pouco mais apertados. Em vez de 70, como até ali, éramos agora 100 homens fechados à chave com bons cadeados. A respiração era deficiente mas felizmente – com pouco nos contentávamos! – havia frestas abertas no tejadilho. Perdi de vista o português ferido, não voltei a ver o velho de barbas brancas que chorava e que ficou para sempre estendido no chão frio da sinagoga. Pôs-se-me um nó na garganta ao saber por outro prisioneiro que o pobre velho falara de mim ao morrer. Como tenho saudades do tempo em que ainda me comovia!

Como não podíamos seguir a viagem com o itinerário traçado antes, voltámos a passar por Toulouse e dirigimos-nos a Nimes, por Narbomei. A nossa chegada àquela região coincidiu com o desembarque das tropas francesas em Saint Raphael. E como a aviação americana não deixava de bombardear os arredores, o comboio parou. Começaram então oito longos dias de sofrimentos. Fechados no vagões, comendo só uma vez ao dia – um pedaço de pão coberto de bolor e uma rodela de salsicha – e não tendo mais que meio decilitro de água por 24 horas, fomos caindo doentes a pouco a pouco. A fome, a sede e o calor mudavam as expressões. Loucos ou moribundos?

Como a desgraça faz dos homens feras sem coração! Se nos visse, se visse como nos batíamos por um pedaço de pão a mais que sobejasse da boca de um doente! Depois as salsichas acabaram e foram substituídas por um tomate cru para cada vagão. Faz ideia do que seja dividir por 100 homens um tomate cru? Pois ninguém ficava sem o seu quinhão. E que ficasse! Era uma questão que nunca mais acabava – e ódios surdos e lutas e insultos.


Um batalhão de miseráveis atravessa vilas e aldeias

Quando o comboio se pôs de novo em marcha, poucos quilómetros andados, uma ponte destruída por bomba de avião cortou-nos, de novo, a passagem. Somos obrigados a descer e a abandonar as nossas bagagens, pobres bagagens de roupas sujas e velhas e de retratos amarelecidos pelas lágrimas, pelo suor e pelo calor – restos de uma vida que ficou para trás.

Fomos a pé de Roquemaure a Sorgnes, cerca de 20 quilómetros através de vilas e aldeias. Quando me lembro dessa caminhada!... Batalhão de miseráveis, descalços, rotos, alguns quási nus, olhos esgazeados, lábios gretados da febre, pés inchados, mãos descarnadas sempre em busca de ervas ou raízes no chão para levar à boca escaldante, ávida, sôfrega do que quer que fosse trincável!
Atrás e aos lados vinha a matilha dos “cães de guarda”, espingardas e metralhadoras prontas a disparar se um nós ficava para trás, coronha descarregada na cabeça do que não tivesse força para andar.

Mais adiante esperava-nos outro comboio. Voltámos aos vagões. E tudo se passou, dias e dias, da mesma maneira, até chegarmos a Pierreffite, onde novo ataque de aviação nos esperava. Novo e trágico ataque. Ah! Se eles soubessem que nós não éramos alemães! Mas tudo era impossível para lho fazer ver. Nem nos restava o ardil das camisas a fazer de bandeira. Qual de nós ainda tinha camisa?
Foi verdadeiramente infernal aquilo. Dessa vez o ataque era feito à bomba. O meu vagão não tinha sido atingido, mas quando saímos – porque a locomotiva fora pulverizada por um impacto directo – verificou-se que nove prisioneiros estavam mortos e 20 gravemente feridos. Estendidos na relva de um prado à beira da linha os infelizes entoavam uma canção trágica feita de dezenas de gritos, de brados de raiva  - de palavras sem nexo em várias línguas. Socorremo-los como pudemos porque os alemães – “valentes” como já sucedera anteriormente – tinham-se refugiado no bosque e vigiavam-nos com as metralhadoras, não fosse algum aproveitar a ocasião para fugir. 

Rasguei as calças que levava na trouxa da roupa e fiz ligaduras. Outros procuraram fazer o mesmo. Outros limparam feridas e fizeram pensos com ervas e folhas de árvores. Mas os nosso “doentes” não resistiram na maior parte, aos “tratamentos”. Um morreu-me nos braços. Outro pôs-se em pé, desvairado, louco e desatou a fazer sinais inúteis aos aviões que ainda se viam no ar. Conseguiu o que queria. Uma rajada de metralhadora alemã acabou com ele.


A chegada a Dachau

Estamos a conversar há horas. Aproveito uma pausa para lhe propor um pequeno passeio à beira do Sena. A noite vem caindo aos poucos. Encontramo-nos os dois cansados: ele de falar, eu de o ouvir com atenção para não perder uma palavra. Seguimos por um passeio da margem esquerda. Caminhamos lado a lado, sem proferir palavra, a gozar a quietude e o encanto da rua que se recolhia à sombra dos chorões. E pisávamos voluptuosamente folhas amarelecidas, esquecidos por momentos, do mundo que ele vivera – do “Outro Mundo”.

Foi o meu companheiro que voltou a falar outra vez:

- Por fim, e depois de muitas peripécias, chegámos à Alemanha. Tinham-se passado dois meses após a nossa saída do campo de concentração em França. Dos 500 que éramos a princípio, dos 900 que fomos depois em Bordéus, só restava metade. Os outros tinham morrido - ou fugido.

- Fugido?

- Sim. Nunca soube como, mas alguns ainda tiveram forças para fugir nas andanças de subor e descer dos vagões. Onde teriam ido parar? No estado de saúde e fraqueza em que estavam, talvez não tivessem andado mais de 500 metros. Mas quem sabe medir o poder da resistência humana à dor e à fome?

- Todos os mortos foram vítimas dos bombardeamentos e da fome?

- Muitos não resistiram também aos maus tratos. As coronhas das espingardas alemãs fracturaram muitos crânios.

Uma nova pausa. Paramos junto a uma alfarrabista. Olho um velho volume, sujo, carcomido pelo uso. Lemos os título: “Viagens  de turismo na Alemanha”. E desatamos a rir à gargalhada. Depois ele volta a contar:

- Se a viagem fora cruel, medonha, desumana, a nossa recepção no campo de concentração de Dachau foi ainda pior. Mal as portas dos vagões forma abertas, cães enormes saltaram para dentro deles ensinados na missão de nos expulsarem depressa. Os guardas vociferavam o maldito “Alles raus!”. Fugíamos, com igual temor, aos homens e aos cães, saindo dos vagões aos trambolhões, a cair uns por cima dos outros.

Chegados ao campo, após uma marcha de algumas centenas de metros, reuniram-nos no meio de uma praça triste ladeada de toscas construções. E ali ficámos toda a noite, deitados no chão, quási despidos, sem nada com que nos abrigar. No dia seguinte, depois das formalidades do registo de entrada, fomos conduzidos aos serviços de recepção. Aí despojaram-nos de tudo quanto possuíamos. Ficámos nus – à espera de um “barbeiro” que nos rapou da cabeça aos pés. “Vestiram-nos” então umas calças e um casaco em farrapos, herança de um pobre prisioneiro que morrera.

Reportagem de Fernando Teixeira, in Diário Popular, 23 de Novembro de 1945

--- Leia aqui as PARTE 1PARTE 2PARTE 4.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Tertúlia sobre o Holocausto em Almodôvar


Iniciativa do Agrupamento de Escolas de Almodôvar, dia 1 de Fevereiro, 
pelas dez da manhã no Auditório.


quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

«O homem que veio do Outro Mundo» (2)
A viagem no "Comboio Fantasma"

Publicamos a segunda parte da entrevista dada por José Agostinho das Neves em finais de 1945 ao jornalista Fernando Teixeira. Trata-se do segmento final do que foi publicado na edição de 22 de Novembro. Como já foi referido anteriormente a entrevista foi impressa em duas edições distintas do "Diário Popular" e os episódios relatados na edição do dia 23 serão transcritos brevemente neste blogue.

Primeira Página do "Diário Popular" de 22 de Novembro de 1945.
Na última semana ficámos a conhecer um pouco sobre José Agostinho das Neves e das desventuras que o conduziram aos campos de concentração franceses logo no princípio do conflito. Nesta publicação vamos acompanhar as suas memórias sobre o percurso até ao campo de Dachau na tristemente famosa viagem do "Comboio Fantasma".

Neste comboio, onde seguiam vários portugueses, reuniram-se os últimos 400 prisioneiros do campo de Vernet e outros 170 homens e mulheres vindos da prisão de Saint-Michel. A partiram para Bordéus aconteceu a 2 de julho de 1944, seguindo depois para Angoulême onde foram alvo de um bombardeamento por parte de aviões aliados. Não conseguindo seguir viagem a composição regressou a Bordéus, onde esperaram 28 dias na sinagoga da cidade antes de retomar o caminho.

Quando partiram, a 9 de Agosto, o grupo seguiu reforçado com mais prisioneiros elevando o total de deportados para cerca de 800. Pouco depois a destruição das vias obrigou-os a percorrer duas dezenas de quilómetros para fazer o transbordo para outro comboio e a viagem prolongou-se sob o sol escaldante de Agosto por entre inúmeras voltas e reviravoltas causadas por bombardeamentos, sabotagens e a fuga aos avanços aliados que tinham invadido a Normandia no dia 6 de Junho. Quando chegaram a Dachau, no dia 28 de Agosto, saíram do comboio apenas 536 pessoas...

Retomamos a transcrição:

(...)

A viagem sem fim começa

30 de Junho de 1944. Há quanto tempo não vejo gente? Nem eu sei já. À minha frente, só espectros e fardas. Fardas pretas, verdes, cinzentas. E nesse dia quinhentos homens, quinhentas sombras, os que havíamos ficado no campo, restos de todas as levas anteriores, somos reunidos para partir também. Os alemães estavam furiosos. Os planos haviam falhado. Os “outros” tinham desembarcado na Normandia. Estavam no grupo franceses, espanhóis – mutilados do guerra – alguns belgas fugidos e eu. Mal tivemos tempo de fazer uma trouxa dos nossos trapos e das nossas poucas, saudosas recordações. E partimos em camiões, escoltados pelos famosos “S.S.” que nunca tínhamos visto e eram verdadeiramente brutais. Cochichávamos uns para os outros: “Serão homens ou feras?” Nunca descobri a diferença.

Chegámos a Toulouse. Meteram-nos na Caserna Caffareli, uma vasta cela, guardada por sentinelas reforçadas. Impossível comunicar com o exterior. Apertados, 500 corpos encostados ombro a ombro, nem sequer podíamos deitar-nos. Moídos, cheios de sono, despertaram-nos na madrugada do terceiro dia, espancados pela guarda para sair mais depressa. Lançámos mão rapidamente à parte menos volumosa da nossa bagagem e corremos, noite fora, ao frio até à estação de mercadorias. Deparámos então com um comboio já formado. Quinze vagões dos de transporte de gado. Alguns já estavam repletos. Eram presos vindos de outros pontos. Repartiram-nos pelos espaços vagos. Entro no meu e leio pintado a  branco na madeira: “Lotação – 8 cavalos ou 40 homens”.

Ficamos setenta. Portas aferrolhadas, sem janelas, sem ar e sem luz, esperámos de olhos abertos, ouvidos à escuta. Começou então a grande viagem…


Dentro do vagão era sempre de noite

Horas e horas seguidas naquele monótono andamento enlouqueciam-nos. Para onde nos levavam? E cada vez era maior o silêncio naquele vagão infernal para que não se perdesse uma palavra da conversa com sentinelas ou uma indicação dos empregados dos caminhos-de-ferro. Lá dentro era sempre noite. Para contar os dias, precisávamos não esquecer que as visitas das sentinelas se faziam de manhã e de tarde. Duas, um dia. Palavras soltas colhidas aqui e ali davam-nos uma indicação: íamos para Compiegne. Mas seria verdade? As conjecturas que cada um de nós fazia não podiam convergir. E todos começámos a sentir-nos invadidos pelas apreensões mais disparatadas. Sem ar, sufocados pelo calor, começámos a deitar fora a roupa, esperançados que assim resistiríamos melhor, atenuaríamos a transpiração. O cheiro de 70 homens que não podiam lavar-se era nauseante. E o sol – que belo sol devia gozar-se lá fora! – queimava, transformava os vagões em fornalhas.

Ninguém podia aguentar mais, alguns começavam a perder os sentidos. Não, não podíamos. Quási nus, lábios secos, transfigurados, nós, os que ainda estávamos de pé, começámos a gritar e a bater nas paredes. Que ao menos nos abrissem a porta para respirar. Mas não abriram. E embora o suplício fosse até então apenas de algumas já preferíamos ser fuzilados que morrer naquelas condições. Alucinados pela sede, gotejando suor, nus, sujos de poeira, a pele quebradiça, escaldante, cheia de resíduos de cimento, ao transporte do qual os vagões haviam servido antes, parecíamos personagens de um pesadelo infernal.

E o calor aumentava. E este desejo imenso de querer morrer! Se ao menos um de nós tivesse uma arma, uma faca, se ao menos um de nós tivesse forças para apertar com as mãos… Massas informes, atirados uns sobre os outros, cinzentos do cimento, avermelhados do calor e da raiva, foram-se calando as vozes pouco a pouco.

E de repente, uma chiadeira de travões e de metais que chocam. E vozes que se aproximam. E um ruído de portas que se abrem. Agora, é no nosso vagão. Ficámos todos de olhos pregados na porta que é aberta com estrondo. A princípio, vemos só a luz do sol que nos cega. Depois, distinguimos as sentinelas e uns homens que não conhecemos e olham para nós, indiferentes, armados de granadas e metralhadoras. Dos 70 que éramos no vagão, só cinco estão de pé e são os primeiros a descer e a ajudar os outros.


O medo de não ter forças para viver

Foi então que me enchi de medo, de um medo feroz que mal podia exteriorizar-se porque eu nem sequer conseguia abrir a boca para falar.

É que eu tinha à minha frente, outra vez, a vida, o ar livre, talvez uma lata de água. E eu que gritara, que me horrorizara com a ideia de que podia morrer ali para um canto sem ar e sem luz, perdera de repente todo o desejo, todas as possibilidades de reagir. Perdera a esperança. E queria morrer. Não era capaz de arredar dali. Enchi-me de medo. Que iria eu fazer daí para diante? Um dos homens armados de metralhadora subiu e deu-me um pontapé. Ainda bem. A dor fez-me reagir. Pus-me de pé. Cambaleei, agarrei-me a ele. Levei um safanão. Cheguei à porta e desci.

Estendi-me ao comprido no talude. Vieram então os assistentes da Cruz Vermelha. E, a pouco e pouco, aquele exército de fantasmas, lavados, reanimados com um pedaço de pão, um tomate cru e uns goles de água, começou a pôr-se de pé. Vieram logo ordens enérgicas. E os homens da Cruz Vermelha foram proibidos de nos alimentar. E fizeram-nos subir, de novo, para os vagões. Mas as portas não foram fechadas completamente. Uma fresta de cada lado, uma em frente da outra, seria uma corrente de ar fatal para quem não tinha roupa sobre a pele. Mas era uma corrente de ar. Estabelecemos então turnos para respirar melhor. E de cinco em cinco minutos (pouco mais ou menos, pois nenhum de nós tinha relógio) um grupo ia encostar a boca à fresta da porta. Depois esperámos. Quando o comboio se pôs em marcha, já era noite. Soubemos mais tarde que já não podendo seguir o itinerário previsto, por as linhas estarem cortadas pelo “Maquis”, haviam decidido levar-nos para Perigueux. Chegados a Bordéus, e após alguns instantes de paragem que nem sequer deram tempo a que a Cruz Vermelha nos socorresse de novo o comboio pôs-se em marcha lenta. A meio da noite, parámos. O comboio tinha de retroceder. As vias estavam interceptadas. E voltámos a Bordéus, em direcção a Angoulême. Aí chegados verificou-se que a estação estava destruída pelos bombardeamentos.

O comboio foi desviado para uma linha de mercadorias, à espera que os “rails” fossem reparados. Abrem-nos então as portas e mandam-nos sair aos cinco de cada vez. Num pequeno regueiro que corria ao fundo do valado e a todo o comprimento do comboio, via-se então uma fila de desgraçados nus e sujos, de barba crescida e cara congestionada pelo sofrimento, procurando aliviar-se da tortura de uma necessidade tanto tempo contida. Para refrescar os lábios tumefactos pela febre, alguns dos infelizes arrancavam as ervas que tinham ao alcance das mãos. Outros, para quem é demasiado atroz o suplício da sede, não resistem à tentação da água que corre no mesmo regato onde os companheiros se encontram agachados. Transtornados, sem discernimento. Bebem-na, sôfregos. Recuo para o vagão, cheio de sede, endoidecido por aquela visão.


Um ataque inesperado, na noite

O comboio parte. Para onde? Sabe-se lá. E ainda não comi – nem sequer o pedaço de pão da Cruz Vermelha, que não houve tempo de o distribuir a todos.

Em Parcoul-Mediac, nova paragem. Depois no silêncio, ruídos estranhos e uma gritaria desusada. São aviões ingleses, de caça, que fazem um barulho infernal. Os soldados da escolta aferrolham-nos as portas e dispersam-se pelos bosques próximos. E assestam sobre os vagões as metralhadoras para que não possamos evadir-nos. Espreitamos pelas frinchas do vagão desconjuntado. É verdade, terrivelmente verdade. Por cima, os aviões. Aos lados, os alemães, às espera que um de nós arrombe a porta para fugir. Os aviadores ingleses que haviam visto fugir os alemães tomam o comboio por um transporte de tropas inimigas. E baixam. E abrem fogo. E todo o comboio, de uma ponta à outra, é esburacado pelas balas explosivas. Aterrados, impossibilitados de sair, vemos a trajectória luminosa das balas descrever caprichosas e alucinantes fantasias. Vamos morrer todos. E, ao meu lado, um velho, de grandes barbas, chora. Um outro lá ao fundo, grita. Estará ferido?

Não sei como surgiu aquela ideia. De repente, uma camisa branca, outra azul e outra vermelha são atadas a um pau. Passa-se este simulacro de bandeira pela fresta do vagão. Quando voltam à carga, os aviadores percebem o sinal. E deixam-nos em paz.

Os gritos do feridos começam a ser horríveis. Há três mortos e uns vinte em estado grave. Alguns são evacuados para o hospital de Angoulême.

E um novo dia amanhece.

Reportagem de Fernando Teixeira, in Diário Popular, 22 de Novembro de 1945

--- Leia aqui as PARTE 1PARTE 3PARTE 4.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

"Debaixo do Céu" no Cinema Ideal

O documentário "Debaixo do Céu", tem estreia marcada para hoje no Cinema Ideal, em Lisboa. O filme faz um retrato do que passaram os judeus que durante a II Guerra Mundial tiveram Lisboa como porta de fuga de uma Europa assombrada pelo nazismo.


Pessoalmente foi um dos projectos mais interessantes em que me envolvi nos últimos anos e o trabalho e a sensibilidade do Nicholas Oulman transformaram este "Debaixo do Céu" num filme que merece ser visto pelas histórias que conta, pelas imagens que reúne, pela forma como está editado, pela brutal serenidade com que somos confrontados com um passado que, na realidade, foi ontem.

Obrigado ao Nicholas e ao Paulo Sousa pela coragem...

Mais logo, às 19.30 horas no Cinema ideal.

«O homem que veio do Outro Mundo» (1)
Uma vida que a guerra interrompe

Numa quinta-feira, 22 de Novembro de 1945, o jornal Diário Popular, inaugurado três anos antes, trazia na primeira página e em grandes parangonas a história de um português que estivera preso em Dachau, um dos tristemente célebres campos de concentração nazis que até em Portugal tinham sido notícia.

O homem chamava-se José Agostinho das Neves, um dos milhares de portugueses que se encontravam em França nos anos 30 - por razões políticas ou económicas - e a quem a II Guerra Mundial tinha marcado de forma indelével. A reportagem, assinada por Fernando Teixeira, prolongava-se por quatro longas páginas em duas edições distintas, um texto que iremos transcrever aqui nas próximas semanas.

Painel sobre José Agostinho das Neves na exposição dedicada aos
"Trabalhadores Forçados Portugueses no Terceiro Reich".
A fotografia maior é uma ampliação de uma das imagens e
sobreposta ao painel pelo autor deste blogue.
A vida deste prisioneiro português, um de várias centenas como se percebeu recentemente, foi reconstituída nos últimos anos por trabalhos como os da jornalista Patrícia Carvalho e, especialmente, pela equipa de historiadores liderados por Fernando Rosas que se dedicou ao estudo dos "Trabalhadores Forçados Portugueses no Terceiro Reich". É essencialmente com recurso ao material deixado por estas duas fontes que o "Aterrem em Portugal!" acrescentará alguma informação adicional na introdução dos diversos artigos.

Neste trecho José Agostinho das Neves relata a forma como vivia em França e o primeiro período como prisioneiro num campo de concentração francês. Trata-se da transcrição de cerca de metade da primeira reportagem enviada por Fernando Teixeira. O restante, onde se relata o transporte de França para Dachau num comboio - que ficaria conhecido como o "Comboio Fantasma" - será transcrito na próxima semana.

Da vida de Neves foi possível apurar que nasceu em Lisboa em 1905, tendo-se assumido como um activista político de tendências anarquistas, razão porque se terá exilado em França durante os anos 20 do século passado. A sua situação económica era considerada frágil, trabalhando na construção civil e recorrendo por vezes à assistência para se conseguir manter a si, à mulher e à filha.
Em Dezembro de 1939 a sua militância política colocou-o sob suspeita da polícia francesa que o pretendia deportar. Preso em Maio do ano seguinte passaria quatro anos em Vernet até ser levado para Dachau em 1944.

Segue-se a transcrição da primeira parte da reportagem, que será a única da época a contar a história de um português nestas condições..


O Homem que veio do Outro Mundo
Um português que esteve em Dachau até ser libertado pelos americanos dá uma impressionante entrevista ao “Diário Popular”

Estava diante de mim, confuso, tímido, alegre, os olhos pequenos a bailar atrás dos óculos. Parecia uma criança perturbada com a presença de um adulto. E, afinal, é bastante mais velho que eu…
Tínhamos-nos encontrado há pouco tempo e éramos já amigos. Amigos, sim. Mal nos conhecíamos, mas éramos ambos portugueses, o acaso pusera-nos, um em frente do outro – e eu, chegado há dois dias, não conhecia alguém em Paris.

Interessei-me pela sua sorte, ouvi-o com interesse, mais de português que de jornalista. E ele tinha tanto para dizer-me… Senti bem que as suas palavras não eram para o homem dos jornais, mas para o compatriota.

Primeiro tinham vindo as perguntas atabalhoadas, doidas, a esmo: “Como está Lisboa?”; “Ainda há esplanadas na Avenida”; Quem trabalha no Nacional?”; Que livros publicou o Ferreira de Castro?”. E, a desculpar-se: “Aqui não se sabe nada. Parece que estamos nos antípodas”.

Depois, a voz tinha inflexões mais tristes e o estribilho voltava sempre igual: “de resto, comigo não admira, eu vim do Outro Mundo”. “Eu vim do Outro Mundo”…

E veio, o pobre. De um Mundo que muitos conheceram, mas do qual nem todos podem ter a paradoxal felicidade de trazer recordações. De um Mundo que foi mancha e desonra de homens, que foi expiação e vingança. De um Mundo que não poderá voltar a existir, que nós não queremos que volte – o dos campos de concentração.

Bebíamos uma cerveja pálida, sem espuma e sem pretensões. Mas ele gostava. Tantos meses sem uma gota de vinho… Depois, dividimos o maço de cigarros – portugueses! – e a conversa animou. Eu olhava-o com ternura. Os seus modos, os seus gestos, as suas palavras não podiam esconder aquilo que o dinheiro às vezes e em vão pretende arranjar: a educação e a cultura. Fiz o possível por o pôr à vontade. Ele percebeu e gostou de poder ter alguém - finalmente! – a quem contar a sua longa história.

“Eu vim do Outro Mundo”…

Deixei-o falar, olhando-o bem de frente quando sentia que procurava fazer-se acreditar e até tinha medo que o suspeitassem doido ou mentiroso, ou evitando um ar curioso quando a vergonha e a miséria afloravam à sua memória. E ele contou, longos minutos estirados naquele fim de tarde, a história sem par que viveu no cabo da Civilização.

1940. A França é invadida. Os alemães aparecem, de surpresa, em toda a parte. Um motociclista chega, às vezes, para tomar uma aldeia. O exército está em frangalhos, batendo-se os soldados, surpresos da sua sorte, até morrer. Os blindados do Reich entram em Paris. As ruas, tristes, nebulosas, sem vivalma, enchem-se de fardas verdes e “souris gris” – as alemãs que o parisiense nunca mais esquecerá.

As arcadas da Rue de Rivoli são longos mostruários de estandartes vermelhos onde a cruz gamada é a marca do terror. Uma denuncia chega. E um dia ele é preso. Quem foi que o disse anti-nazi? Nunca o soube; nunca mais o saberá. De que o acusavam? Jamais poderá conhecê-lo. Nem mesmo lho podiam dizer aqueles que o dirigiram durante longos meses.

Um dia foi preso – e isso bastou. Que interessavam as razões e o seu julgamento? Preso, era anti-nazi certamente. Preso era evidentemente contra Hitler. Preso, era mais um para destruir. Haverá uma pena que castigue quem de tal regime era responsável? Chegará uma morte para vingar centos de milhar?


Trabalhador rural e empregado no correio

Mas é melhor deixá-lo falar:

- Eu tinha uma Agência de Livraria. E uma casa. E mulher e filha. Tudo abandonei à pressa, sem guardar um franco ou um cigarro, sem lhes dar um beijo. Meteram-me num camião frio e cinzento. Adormeci nos solavancos da estrada. Acordei no campo de concentração de Vernet de Ariège. Olharam-me, interrogaram-me. E, não me podendo classificar como culposo de qualquer delito, resolveram instalar-me na secção de suspeitos, dos vigiados. Todos os dias, olhos curiosos espiavam os meus gestos, os meus movimentos, ouvidos atentos escutavam as minhas conversas com companheiros de desdita. Depois, desiludidos, mudaram de táctica. E para não ficarmos inactivos, resolveram dar-nos trabalho. Eu – não sei ainda hoje a que devo tal sorte! – fui escolhido para trabalhar nos arredores. O que isto representava de sorte no meio da tragédia quotidiana! Trabalhar nos arredores, era estar num dia inteiro ao ar livre, longe do espectáculo penoso do campo, respirar! Foram esses os melhores dias da minha vida de prisioneiro. Cortando árvores, revolvendo a terra, plantando e colhendo – eu e os outros fizemos de um terreno baldio uma terra e cultura. Dava gosto vê-la, verdejante, cheia de vida. Mas, alcançado que foi o objectivo, terminara o trabalho de excepção. Que me esperava agora?

“Você é dado às leituras, pois vai trabalhar no Correio”.

E fui. A coisa não caminhava mal. Recebia as cartas e as encomendas. E distribuía-as pelos outros. Que mais poderia eu desejar? Só a alegria de ser o portador de boas novas, o seu traço de união com a Vida!... Sim, que mais poderia eu desejar?... Depois, com o pretexto de eu conhecer quatro línguas, sou transferido para os serviços de censura. Não aqueço o lugar. Repugna-me ser obrigado a abrir correspondência alheia. Digo-me doente. Volto aos correios. E ali fico até que os alemães tomam conta do campo quando da ocupação total da França. Aparecem então os médicos da “Gestapo”. Fazem várias inspecções. Arranjo processo de esquivar a todas - menos a uma. Sou considerado forte para novas proezas. E as provações e as torturas começam.

Reportagem de Fernando Teixeira, in Diário Popular, 22 de Novembro de 1945

(Na Próxima semana transcreveremos a segunda parte da reportagem publicada pelo jornal no dia 22 de Novembro de 1945)

--- Leia aqui as PARTE 2PARTE 3PARTE 4.