Pesquisar neste blogue

terça-feira, 22 de maio de 2012

A herança de Tiago Gomes

As encadernações reúnem parte da herança de um avô que Tiago Gomes nunca conheceu. São versões em português de revistas de origem americana - a “Victory” e a “Em Guarda” – que durante a II Guerra Mundial foram veículos de propaganda para as mensagens do governo de Roosevelt.  

Foi a mãe de Tiago Gomes que as reuniu depois do falecimento do pai em 1964 e as passou depois ao seu filho, que nasceu dez anos depois – por acaso ano de revolução dos cravos. 

Capas das revistas de propaganda americana "Em Guarda" e "Victory"

Para além das revistas Tiago acabou por “herdar” também muitas das histórias que ficaram na memória da família.

Nascido perto de Vila Nova de Ourém em 1900, Manuel Lopes Alexandre, órfão de pai, chegou a Lisboa com apenas 14 anos para trabalhar numa mercearia, que acabaria por comprar duas décadas depois.

Hoje, no velho edifício da mercearia, na rua de Dona Estefânia, funciona o restaurante “Morgadinha da Estefânia”. No andar de cima António criou a família.

O pai de Mário Soares terá também encontrado refúgio nessa casa num período em que andou fugido ao Estado Novo. É pelo menos uma das muitas histórias que Tiago recorda.

Nunca conseguiu, no entanto, confirmar a sua veracidade. É certo que em frente ao 99 da Estefânia morou um irmão do ex-Presidente da República. 






Artigo sobre os caças Brasileiros 
envolvidos em combates 
durante a II Guerra Mundial 











 
 Identificado como republicano e pró-aliado, não era anormal colecionar as revistas que eram distribuídas, muitas vezes, de forma gratuita na rua ou nos estabelecimentos comerciais. A “Victory” era um a revista em português para portugueses e fazia referência a vários temas, que não só a guerra, que obviamente ocupava a maior parte das edições.

A “Em Guarda” era uma edição mais virada para o mercado brasileiro, país aliado dos americanos, tendo mesmo chegado a participar nos combates na Europa (ver "Acidente Brasileiro no aeroporto de Lisboa" ) .

Apesar de mais vocacionada para o mercado sul-americano, vários exemplares desta publicação encontraram o caminho até Portugal.

Uma herança em papel… com história.

Carlos Guerreiro

Sem comentários:

Publicar um comentário